sexta-feira, 22 de agosto de 2014

O alienígena no meio de nós




O ator Robin Williams lutou contra a depressão por anos. Seu suicídio é um ato de corajoso desespero, que faz deste planeta um lugar mais vazio

ANDREW SOLOMON

LUTA SOLITÁRIA  Robin Williams  num retrato  de 2014. Seu suicídio comoveu o mundo (Foto: Peter Hapak/Trunk Archive)
A cada 40 segundos, alguém comete suicídio. Nos Estados Unidos, é a décima maior causa de morte em pessoas com mais de 10 anos de idade, muito mais comum que morte por homicídio, aneurisma ou HIV. Cerca de meio milhão de americanos são levados a hospitais a cada ano em decorrência de tentativas de suicídio. Uma em cada cinco pessoas com depressão profunda tentará o suicídio; ocorrem aproximadamente 16 tentativas para cada suicídio cometido. A taxa de suicídio está aumentando, especialmente entre homens de meia-idade. Essas estatísticas são repisadas incessantemente, mas resistem ao peso da repetição. O suicídio pode ser uma solução permanente para um problema temporário, mas atrai com alarmante sedução.
Idolatramos Robin Williams pelo brilho intenso de suas performances; em sua melhor forma, ele foi não só hilário, mas também extremamente cativante. Pouquíssimas pessoas têm esse tipo de energia contagiante sem pender para o outro lado de vez em quando. Frequentemente, parece que todos recaímos numa média neutra, enquanto os mais exuberantes têm mais chance de equilibrar vida e desespero, proporcionalmente. Nem sempre: algumas pessoas são Bill Clinton. Mas não muitas. Robin Williams não fazia segredo sobre seu problema emocional. Em 2010, num perfil para o jornal britânico The Guardian, Decca Aitkenhead escreveu: “Seu comportamento é intensamente zen e quase triste e, quando não imposta a voz, ele fala baixo, como um trêmulo barítono – como se estivesse quase chorando –, o que funcionaria muito bem se estivesse fazendo um discurso fúnebre. Ele parece gentil e amável – e até mesmo afetuoso –, mas a impressão mais forte é de tristeza”. Ela perguntou a Williams se ele estava ficando mais feliz, e ele disse: “Acho que sim. Não tenho medo de ser infeliz. Tudo bem também. Você pode estar como se tudo estivesse bem. Isso é o que importa, isso é o presente”. Aitkenhead interpretou isso como sentimental. Em retrospecto, mostrava alguém que luta contra seu medo e sua própria dor, alguém que estava com medo, talvez porque compreendia o potencial que aquela infelicidade tinha para englobar todo o resto.
>> Robin Williams sofria de Mal de Parkinson, diz mulher do ator

Quando os veículos de comunicação de massa noticiam casos de suicídio, quase sempre buscam uma “razão” que parece trazer lógica para a ilógica da autoexterminação. Casos de suicídio de celebridades são particularmente propensos a alguma forma de racionalização, porque a ideia de que alguém poderia sentir-se miserável apesar da fama mundial parece sem sentido. Por que alguém que tem tanto daquilo que o resto dos mortais deseja decide acabar com sua vida mesmo assim? Como há sempre coisas erradas em toda vida, a todo momento, a indústria da explicação nos diz que aquela pessoa teve um casamento infeliz, era deprimida, ou acabara de passar por um grande problema na carreira, ou estava sob a influência de alguma seita. Robin Williams não parece ter tido nenhum desses problemas. Sim, ele lutou contra a dependência química, mas estava sóbrio havia um bom tempo. Estava em seu terceiro casamento, mas parecia uma união feliz. Teve filhos que pareciam bem-sucedidos, e parecia bem próximo deles. O último seriado de TV em que atuou foi cancelado poucos meses atrás, mas sua reputação como um dos grandes artistas de nosso tempo estava impecável. Então, teve poucas “razões” para cometer suicídio – como, na verdade, a maioria das pessoas que comete suicídio tem poucas razões além de depressão (unipolar ou bipolar), que está na raiz da maioria dos suicídios.
 
Robin Williams no colégio, onde sofreu perseguições dos colegas por ser gordo (Foto: AKM-GSI Brasil)

Ao lado da primeira mulher, Valerie Velardi, em 1981  (Foto: Ron Galella)

Um jantar beneficente com o ator Christopher Reeve, um de seus melhores amigos (Foto: Ron Galella)

Sua segunda mulher, Marsha Garces, em 1994  (Foto: Bauer-Griffin)

A filha Zelda, nascida em 1989, na última foto publicada por Williams no Instagram (Foto: Reprodução)

O Oscar de Melhor Ator Coadjuvante por Gênio indomável (1997)  (Foto: REED SAXON)

A terceira mulher, Susan Schneider, e o primeiro filho, Zachary Pim  (Foto: Kevin Mazur)

Cody Alan, o caçula do segundo casamento (Foto: Scott Wintrow)

Uma das últimas fotos dele, tirada em julho  (Foto: Reprodução)

O suicídio também não é uma manifestação de “egoísmo” ou “covardia”, como os donos da verdade sempre argumentam. Suicídio não é um comportamento casual. Apesar de toda impulsividade que envolve, ele é também um passo profundo e transcendental para  o qual muitos não têm coragem. De um lado, o suicídio de jovens é obviamente mais trágico que o suicídio de mais velhos; jovens têm mais vida pela frente, mais chance de superar adversidades. De outro lado, o suicídio de pessoas de meia-idade é especialmente catastrófico, a capitulação de alguém que lutou por décadas. Implica o reconhecimento de que, se as coisas não melhoraram até agora, não melhorarão. O suicídio de Robin Williams não é um ato de autoindulgência de alguém sem a força suficiente para lutar contra seus próprios demônios. É, na verdade, um ato de corajoso desespero, cometido por alguém que reconhecia que uma luta como essa nunca poderia ser vencida.
>> 10 filmes marcantes de Robin Williams

A depressão é um fator de risco para doenças do coração, e cirurgia cardíaca é um fator de risco para a depressão. Será difícil saber que papel a cirurgia cardíaca de Williams pode ter desempenhado em sua angústia crescente. O álcool é tranquilizante, ameniza alguns sentimentos negativos. É por isso que usam e abusam dele. Mas também pode ativar o botão do desespero. Ainda não se sabe se Williams ingerira bebidas alcoólicas momentos antes da tentativa de suicídio, mas ele tivera uma passagem recente pelo centro de tratamento Hazelden, aonde foi com o objetivo de “manter” sua sobriedade. Se jogamos o jogo de busca por “razões”, essas são algumas das que se oferecem.

As mesmas qualidades que levam alguém ao esplendor podem levá-lo ao suicídio. Pessoas muito bem-sucedidas tendem a ser perfeccionistas, constantemente buscam atingir padrões impossíveis. Celebridades tendem a ser ávidas por amor, a se alimentar da adoração de seus fãs. Nenhum perfeccionista jamais atingiu seus próprios padrões, e ninguém tão faminto por admiração jamais recebeu o suficiente. Aquela energia irrestrita que Williams trouxe para quase todo papel tem uma urgência de busca, como se perseguisse alguma verdade ainda sem nome. Ele nunca demonstrou o narcisismo indiferente como muitos atores, mas seu trabalho dependia da interação entre a extroversão desenfreada e o autoconhecimento sutil. Ele atuava como um alienígena tão bem porque era um alienígena em sua própria mente, permanentemente tentando escutar cada um de nós. Suicídio é um crime de solidão, e quem é adulado pode ser assustadoramente sozinho. Inteligência não ajuda nessas circunstâncias. A genialidade é quase sempre profundamente isoladora.

Todo suicídio merece luto, mas a morte de uma figura como Robin Williams traz impactos maiores do que a maioria. Envolve a verdadeira e dolorosa perda de alguém que muitos amaram. O desaparecimento de seu contagiante entusiasmo faz deste planeta um lugar mais vazio. Além do mais, uma vez que suicídio é contagioso, outros provavelmente já tentam imitá-lo, sob o raciocínio de que, se nem Robin Williams pode fazer as coisas funcionar, eles também não poderão. Movimentos desse tipo ocorreram após o suicídio de celebridades. No período após Marilyn Monroe tirar sua vida, a taxa de suicídio nos Estados Unidos subiu 12%. Por fim, o suicídio de Williams demonstra que nenhum de nós está imune. Se você pode ser Robin Williams e ainda assim querer se matar, então todos estamos propensos a essa vulnerabilidade aterrorizante. A maioria imagina uma vida em que problemas específicos podem ser resolvidos, permitindo que as coisas melhorem. Se a gente tivesse mais dinheiro, ou amor, ou sucesso, então a vida seria controlável. Pode ser devastador perceber a falsidade de tal otimismo. Uma grande esperança é destruída cada vez que algum Richard Cory ou Robin Williams nos faz lembrar que felicidade não pode ser presumida ou ganha, que todos somos prisioneiros de nossos próprios cérebros defeituosos e que a última solidão em cada um de nós é completamente inviolável. 
O escritor americano Andrew Solomon, de 50 anos, é autor de O demônio do meio-dia (2001),
um livro de memórias sobre sua experiência com a depressão, publicado no Brasil pela Companhia das Letras

Bombeiros são eletrocutados durante desafio do balde de gelo

O desafio instantes antes do acidente - Reprodução/Twitter
Dois bombeiros de Campbellsville (Kentucky, EUA) forameletrocutados ao ajudar um grupo de jovens que participava do famoso desafio do balde de gelo, que virou febre mundial. 

De acordo com a agência AP, os bombeiros usaram a escada magirus de um caminhão para molhar com água gelada o grupo de estudantes e integrantes da banda da Campbellsville University. Quando os bombeiros se aproximaram demais de um equipamento de alta voltagem da rede elétrica, ocorreu uma forte descarga, que os arremessou contra colegas que se encontravam no caminhão. Os dois bombeiros que estavam na extremidade da escada, identificados como Simon Quinn, de 22 anos, e Tony Grider, de 41, tiveram várias queimaduras e estão internados em estado grave em hospital universitário. Outros dois socorristas - Steve Marrs, de 37 anos, e Alex Johnson, de 28, também ficaram feridos, mas sem gravidade. Eles foram liberados.
Simon Quinn (à esquerda) e Tony Grider - Foto: Divulgação/City of Campbellsville
Nenhum dos estudantes ficou ferido no acidente, ocorrido na manhã de quinta-feira (21/8).
Estudantes rezam pelos bombeiros feridos - Reprodução/Twitter
Imagem aérea mostra o local do acidente - Reprodução/Twitter
 
A região ficou sem abastecimento de energia elétrica por várias horas - Reprodução/Twitter
O desafio tradicional consiste em derramar um balde com água ecubos de gelo sobre a cabeça. O objetivo é arrecadar fundos para uma instituição que cuida de vítimas da esclerosa lateral amiotrófica (ELA) nos EUA. Até agora, mais de US$ 31 milhões (R$ 68 milhões). Muitas celebridades adeririam ao desafio.
O acidente será investigado pela polícia da cidade e pelo Corpo de Bombeiros. A ALS, instituição que lançou o desafio do balde de gelo, emitiu uma nota sobre o ocorrido: 

"Nossos corações estão com os bombeiros feridos e as suas famílias. Nossos pensamentos permanecerão com eles durante este difícil período". - By O Globo

O oportunista Suplicy e o 'desafio do balde de gelo'

Maquiavel


Suplicy: desafio a Serra e Kassab
Suplicy: desafio a Serra e Kassab (Reprodução/VEJA)
O senador Eduardo Suplicy, que tenta a reeleição, é um político com apurado senso de oportunismo: já desfilou de sunga vermelha nos corredores do Congresso, cantou Racionais MC’s em plenário e assistiu a uma partida da seleção na Copa do Mundo na casa do black bloc adolescente retirado de uma manifestação pelo pai. Nestas eleições, dá novas mostras de seu pendor para o marketing pessoal. O petista decidiu aderir à campanha do desafio do balde de gelo. Em vídeo divulgado na internet, aproveita o tema da esclerose lateral amiotrófica(ELA) para discursar sobre projetos que apresentou no Senado. E desafia seus principais concorrentes na disputa deste ano – entre eles o ex-governador José Serra (PSDB) e o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) a participar da campanha. 
by Veja

Fim de Carreira: "Mulher ganha prótese dentária antes de gravar com Dilma"


Maquiavel


Dilma e Lula em Batatinha: presente a Dona Nalvinha

Dilma e Lula em Batatinha: presente a Dona Nalvinha (Bruno Cabroeira/Futura Press)
Em agenda no Nordeste nesta quinta-feira, a presidente-candidata Dilma Rousseff visitou obras da transposição do rio São Francisco, em Pernambuco, e também a cidade de Paulo Afonso, na Bahia. No sertão baiano, gravou imagens para sua campanha na casa de Dona Nalvinha, moradora da Comunidade Batatinha e beneficiária do programa federal Água para Todos. Reportagem do jornal Folha de S. Paulo informa nesta sexta-feira que, antes de receber a presidente, Nalvinha, ou Marinalva Gomes Filha, de 46 anos, foi contemplada com uma prótese dentária. “Tudo o que tenho aqui foi a Dilma que me deu”, afirmou a baiana ao jornal – inclusive, a prótese dentária, segundo ela.


Para sorrir na propaganda presidencial, Nalvinha recebeu dois dentes da frente. E não só isso: sua casa ganhou duas cisternas e o fogão a lenha foi ampliado, segundo o jornal. As reformas na residência são fruto de um programa firmado pelos governos federal e da Bahia com uma ONG local. Na Comunidade Batatinha, só Dona Nalvinha foi contemplada com os benefícios até agora. Pouco depois de o jornal questionar a campanha petista sobre a prótese de Nalvinha, a moradora mudou sua versão: afirmou ter sido chamada por um dentista da prefeitura. Segundo disse à Folha, ela ouviu do profissional que colocaria os dentes "para receber a presidente Dilma".
by Veja

BARROSO ANULA DECISÃO DE BARBOSA SOBRE BENS DE MARCOS VALÉRIO

Diretor do CDP de Praia Grande é morto em emboscada

Principal suspeita recai sobre o PCC; de acordo com a PM, houve pelo menos 20 disparos feitos por fuzis de calibre 5,56 milímetros

por Estadão Conteúdo

O diretor de disciplina do Centro de Detenção Provisória (CDP) de Praia Grande, Charles Demitre Teixeira, foi assassinado na noite desta quinta-feira dentro do carro na frente de sua casa, na Rua Norberto Florence dos Anjos, naquela cidade. Ele foi alvejado por um grupo com fuzis e pistolas. A principal suspeita da polícia é que Teixeira tenha sido assassinado por integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC).


De acordo com a Polícia Militar, pelo menos 20 disparos feitos por fuzis calibre 5,56 milímetros e uma dezena de tiros de calibre .40 acertaram a vítima. O diretor trabalhava no local havia nove anos, era casado e tinha quatro filhos.

Depois de atirar no diretor do presídio, os criminosos fugiram. A PM realizou buscas no bairro em que Teixeira morava na Praia Grande, mas até as 22h30 desta quinta não havia conseguido prender os assassinos. Teixeira era conhecido por sua atuação rígida na manutenção da disciplina carcerária, o que reforçaria a hipótese de vingança contra o diretor.

Charles Demitre Teixeira foi assassinado dentro do carro, na frente de sua casa (Foto: Divulgação)
Charles Demitre Teixeira foi assassinado dentro do carro, na frente de sua casa (Foto: Divulgação)

Ele é o terceiro funcionário da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) assassinado neste mês na Praia Grande. O primeiro agente teria sido morto em uma briga com outro funcionário do presídio. A morte do segundo agente ainda está sob investigação. A polícia apura se há ligação entre esses crimes. Desde 2006, o PCC é acusado de atacar policiais e agentes prisionais na Baixada.

Mais mortes. Líderes do PCC já estiveram envolvidos em outras mortes envolvendo diretores de prisões paulistas. No caso mais conhecido, em 2009, o líder máximo do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, foi condenado a 29 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato do juiz-corregedor de Presidente Prudente Antonio José Machado Dias. Ele foi morto em uma emboscada ordenada pela cúpula do PCC em 2003.

Em outubro de 2006, houve mais um atentado. O ex-diretor de presídios José Ismael Pedrosa foi executado com sete tiros. Jurado de morte pela facção, Pedrosa era tido como um profissional linha-dura e comandou a Casa de Detenção, no Carandiru, zona norte de São Paulo – palco do massacre de 111 presos em 1992 – e a Casa de Custódia de Taubaté, o Piranhão, considerado o berço do PCC.

by diariodolitoral


quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Arquivado Projeto de Lei que proíbe naturismo na Galheta, em Florianópolis

Polêmica

Assunto volta à pauta da Câmara em setembro, com discussão do Plano de Manejo do Parque


Audiência aconteceu na Câmara de Vereadores de Florianópolis, às 14h desta quinta-feiraFoto: Marco Favero / Agência RBS

Foi arquivado nesta quinta-feira o Projeto de Lei Complementar n. 1.327/2014, que proíbe a prática de naturismo no Parque da Galheta, em Florianópolis. Contrários à proposta, naturistas compareceram à Audiência Pública para a discussão do projeto e promoveram um abaixo-assinado virtual - com 272 assinaturas até as 14h, horário em que começou a audiência.

O autor do projeto, Vereador Jerônimo Alves (PRB) diz ter feito a proposta a partir de pedidos de moradores, surfistas e pescadores preocupados com a atos deatentado violento ao pudor e degradação ambiental nas trilhas de acesso e na praia da Galheta.

Alves e o relator do projeto Vereador Pedro de Assis Silvestre (PP), oPedrão, reconheceram que o que acontece no Parque da Galheta, assim como em todos os demais parques de Florianópolis — exceto o do Morro da Cruz, recém reformado —, é um problema de ingerência e ausência do poder público, o que não está relacionado ao naturismo.

Na próxima semana, os vereadores encaminharão aos órgãos competentes um requerimento exigindo mais segurança, fiscalização e infraestrutura no Parque da Galheta, como sinalização e manutenção das trilhas e presença das Polícias Civil e Militar.

O naturismo na Galheta deve voltar à pauta da Câmara no mês que vem. Segundo Pedrão, o projeto de delimitação e ampliação dos limites do Parque da Galheta - em discussão desde 1999 - deve ser aprovado nos próximos dias e, se aprovado, permite a discussão do Plano de Manejo do Parque:

— Florianópolis está 30 anos atrasada na questão das Unidades de Conservação.Balneário Camboriú tem um ótimo exemplo, com a Praia do Pinho, que gera recursos para o município. — Afirma o vereador.

— O Plano de Manejo é o que regula tudo o que acontece dentro do Parque: trilhas,atividades econômicas, turisticas e ambientais. O naturismo também estará incluído nas discussões, pois ocorrerá dentro dos limites do Parque — finaliza.

Trilha de acesso à Praia da Galheta. Foto: Charles Guerra/Agência RBS

Moradores e frequentadores da Galheta e representantes de instituições ligadas ao naturismo relataram situações de sexo explícito, uso e venda de drogas, criação degado em áreas irregulares, grilagem de terras , degradação de sambaquis e oficinas líticas e acúmulo de lixo na praia e nos acessos. Pedrão lembrou de uma ação de limpeza da praia em que participou e foram recolhidos cerca de 130 preservativos usados nas trilhas.

O representante da Federação Brasileira de Naturismo (FBrN), Luiz Carlos Hack, explicou que os atos de atentado violento ao pudor que moradores da região
relatam não são práticas aceitas pelos praticantes do naturismo, que tem código de ética próprio e pune excessos.

Um morador de Florianópolis identificado como Emilio, posicionou-se a favor do fim da prática do nudismo no Parque. Ele afirma que não leva a família à Galheta por se sentirconstrangido e que, com a proibição, mais gente que se sente como ele frequentaria o local.

— Parques são lugares excelentes para levar crianças, escolas, e promover um aprendizado diferente. Mas com naturismo na Galheta, as escolas não poderão ir conhecer o local, o que é um direito de todos — sugere.

As praias naturistas oficiais no Brasil, segundo a FBrN:

- Tambaba (em Conde, Paraíba)
- Praia do Pinho (em Balneário Camboriú, Santa Catarina)
- Olho de Boi (em Búzios, Rio de Janeiro)
- Barra Seca (em Linhares, Espírito Santo)
- Massarandupió (em Entre Rios, Bahia)
- Praia do Abricó (Rio de Janeiro)
- Praia de Pedras Altas (em Palhoça, Santa Catarina)
- Praia da Galheta (em Florianópolis, Santa Catarina)

by diario catarinense

O INTERESSANTE ESTADO DE DIREITO

Fernando Gabeira Há coisas que não entendo no Brasil. Ou melhor, coisas que me esforço para entender. O STF, por exemplo, ne...