quarta-feira, 29 de julho de 2015

Aos socialistas, 60 perguntas desconcertantes

idiota comunista
Abaixo, listo as perguntas que devemos fazer após ouvirmos algumas afirmações socialistas. São perguntas simples e objetivas, porém, que nunca são respondidas. Provocam apenas eufemismos, retóricas, tentativas de desqualificar o autor das perguntas ou simplesmente faniquitos às vezes sentimentais, às vezes agressivos.
1 – O capitalismo exclui os pobres.
Você quer dizer que o capitalismo é o sistema que dedica-se a produzir joias, roupas de grife, carros esportivos e aviões executivos?
2 – O capitalismo gera pobreza.
Essa é a sua conclusão ao comparar a lista dos países de melhor qualidade de vida com a lista dos países com maior liberdade econômica?
3 – O capitalismo cria desigualdades.
Você poderia apontar um regime socialista no qual seus líderes usufruem dos mesmos confortos que a população comum?
4 – O capitalismo não valoriza os esforços do trabalhador.
Como o socialismo valoriza os esforços do trabalhador se ele cobra que todos os trabalhadores de uma mesma categoria devem receber os mesmos salários?
5 – O capitalismo destrói a natureza.
Você consegue imaginar quantas árvores deixaram de ser cortadas desde o surgimento da informática e da internet?
6 – Os bancos exploram as pessoas mais pobres.
Você já comparou o quanto uma pessoa comum paga de anuidade de cartão de crédito em relação ao quanto esta mesma pessoa paga de impostos ao governo num único dia?
7 – A publicidade capitalista induz as pessoas ao consumo.
São as propagandas na TV e os outdoors na rua promovendo a maconha, a cocaína e o crack que fazem as pessoas a consumir essas drogas?
8 – A mídia manipula a população contra o governo.
Em qual sentido, já que a mídia há 12 anos noticia sucessivos casos de corrupção e mesmo assim o PT está em seu 4° mandato consecutivo?
9 – O capitalismo cria necessidades que as pessoas não têm.
Necessidades do tipo… produtos de higiene pessoal, medicamentos, roupas, energia elétrica, meios de comunicação mais confiáveis do que pombos-correios, moradias mais confortáveis do que cavernas, veículos de transporte mais rápidos do que cavalos e armazenamento de dados mais eficientes do que pedras?
10 – O capitalismo oprime o consumidor.
Você quer dizer que o capitalismo oprime as pessoas ao oferecer produtos e serviços cada vez mais variados e a preços cada vez mais baixos?
11 – Os países escandinavos são exemplos de sucesso do socialismo.
Você considera exemplos de países socialistas aqueles que registram as menores participações do Estado na economia, os maiores níveis de liberdade econômica, as maiores taxas de poupança, as legislações que mais garantem a propriedade privada e as políticas que mais restringem a imigração?
12 – Eu falo dos programas sociais desses países.
Se você enxerga que programa social é a mesma coisa que sistema político-econômico, então, devo considerar que você também enxerga como países socialistas Alemanha, Suíça, Canadá, Austrália, Singapura, Japão, Coreia do Sul e, claro, Estados Unidos, já que eles empenham amplos programas sociais?
13 – Como escreveu Marx, o socialismo é inevitável, já que o capitalismo está fadado ao colapso.
Sendo assim, qual a razão do ativismo revolucionário socialista?
14 – Marx foi deturpado.
Você pode explicar como o socialismo científico de Marx seria viabilizado com sucesso sendo que ele ignora completamente o calculo de preços e, em consequência, o princípio da escassez?
15 – A burguesia é egoísta, racista, fascista e homofóbica.
Você se sente uma aberração genética e social por ser branco, nascido e criado na burguesia mas, a despeito disso, tem a mente e o coração voltados apenas para o bem da humanidade?
16 – Os capitalistas são preconceituosos.
Os socialistas não são preconceituosos ao afirmar sobre o caráter e sobre o merecimento das pessoas a partir dos seus endereços e de suas contas bancárias?
17 – Os mais pobres estão se conscientizando sobre os males do capitalismo.
Você poderia apontar alguma pesquisa que mostra que a maioria da população mais pobre não tem ambições capitalistas, que não deseja acumular capital e propriedade?
18 – O liberalismo defende que as grandes empresas tenham liberdade para fazer o que bem entenderem.
Qual foi o último livro de autor liberal que você leu?
19 – Os empresários só pensam no lucro.
Você sabia que para um empresário obter lucro, antes ele precisa pagar salários, fornecedores, impostos, encargos e ainda satisfazer seus clientes?
20 – Os empresários nunca pagam salários justos.
Você não acha que já está na hora dos socialistas montarem suas próprias empresas e começar a produzir de acordo com as relações de trabalho que eles tanto pregam?
21 – O Estado tem que cobrar mais impostos dos mais ricos.
Você aceitaria que o condomínio onde você mora decidisse cobrar mensalidades e taxas proporcionais à renda de cada morador?
22 – O governo faz bem ao gerar emprego em sua própria máquina administrativa.
Você aceitaria que o condomínio de seu prédio contratasse ascensoristas?
23 – O trabalhador tem que ter estabilidade de emprego, não pode ficar a mercê da vontade do patrão.
Você contrataria alguém que não possa demitir?
24 – A iniciativa privada corrompe o Estado.
Seguindo este raciocínio, o policial corrupto deve ser tratado como vítima?
25 – O capitalismo corrompe a arte.
Você já procurou saber que a grande maioria dos eventos e projetos culturais são bancados pelo governo?
26 – O governo tem que proteger a sociedade do capital financeiro.
Quem protege a sociedade do governo?
27 – O Estado tem que proteger a sociedade dos monopólios privados.
Quem protege a sociedade do monopólio estatal?
28 – A iniciativa privada também comete seus abusos e oferece maus serviços.
O que lhe causaria mais indignação: ser assaltado por um ladrão qualquer ou por um policial?
29 – Enquanto o Estado não controlar os principais meios de produção, a sociedade será refém da ganância e da corrupção dos capitalistas.
Quem garantiria à sociedade que os agentes do governo que viessem a controlar os principais meios de produção não seriam igualmente ou mais gananciosos e corruptos que àqueles que viessem a ser depostos?
30 – É papel do Estado promover a justiça social.
Como o Estado conseguiria saber o que cada indivíduo merece?
31 – Não é justo uns poucos terem muito enquanto a maioria tem tão pouco.
Quando você passa por um bairro rico e por um bairro pobre você consegue, só de olhar, saber que todos os moradores do primeiro são pessoas de péssima índole e que todos os moradores do segundo são pessoas dotadas de caráter admirável?
32 – A diminuição da maioridade penal não diminuirá a violência urbana.
Devemos, então, deixar solto um assassino, já que sua prisão não resolveria o problema da violência urbana?
33– A violência urbana é uma reação das classes mais baixas à ostentação burguesa.
Sob esta ótica, o estupro é uma reação dos homens solitários à forma sensual com a qual algumas mulheres se vestem?
34 – Todos têm direito a vida.
Por que, então, cada indivíduo não pode defender sua própria vida?
35 – A liberação do porte de armas aumentaria a violência.
Seguindo seu raciocínio, se liberarem o consumo de drogas como você defende, mais pessoas passariam a se drogar?
36 – Todos têm direito a educação, saúde, moradia, alimentação, lazer e transporte.
E se todos resolverem parar de trabalhar e esperar que o governo lhes ofereça tudo isso?
37 – As mulheres devem ter mais espaço na política.
Elas querem?
38 – A ditadura militar brasileira foi financiada pelos Estados Unidos.
Os grupos que lutavam contra a ditadura brasileira eram patrocinados por quem?
39 – Os interesses coletivos devem prevalecer sobre os interesses individuais.
Sendo assim, uma sociedade de maioria homofóbica tem o direito de intimidar, perseguir e matar gays?
40 – O socialismo luta pelos direitos dos gays, dos negros e das mulheres.
Por que, então, os socialistas repudiam os Estados Unidos, o país governado por um negro de origem pobre, onde os gays e as mulheres mais gozam de liberdade?
41 – Todos devem ser tratados igualmente.
Por que, então, vocês cobram tratamento especial a gays, negros, mulheres e líderes dos movimentos de esquerda?
42 – Cobrar o fim da CLT é uma atitude fascista.
Mas a CLT não foi criada por Getúlio Vargas, o ditador brasileiro que inspirou-se em Mussolini, o ditador fascista italiano?
43 – Eu só quero que mais pessoas tenham acesso aos produtos, serviços e tecnologias produzidas pelo capitalismo.
Como o socialismo espera atingir esse objetivo agindo contra o capitalismo?
44 – A pobreza na África é resultado do capitalismo.
Você quer dizer que antes a África era um próspero continente povoado por inúmeras tribos que amavam umas as outras?
45 – O governo deve controlar o lucro das empresas.
E se os donos das empresas não aceitarem?
46 – O Estado deve intervir para fazê-las funcionar em função do interesse social.
Lembrando que isso já foi feito em muitos países e deu tragicamente errado em todos eles, qual a garantia de que com vocês tudo seria diferente?
47 – Não sou comunista.
Como você enxergaria alguém que vota e defende pessoas e partidos que realizam eventos e fazem referência positiva a ideias, personagens e símbolos nazistas?
48 – Cuba foi vítima do embargo econômico dos Estados Unidos.
Lembrando que uma das principais ideias da Revolução Cubana era o rompimento das relações comerciais com os Estados Unidos, por que Cuba não se desenvolveu economicamente relacionando-se com outros países?
49 – A medicina de Cuba é muito avançada.
Onde são fabricados os equipamentos utilizados na medicina cubana?
50 – A educação cubana é uma das melhores do mundo.
Ao cidadão cubano, para que lhe serve a educação?
51 – Ninguém morre de fome em Cuba.
Cuba é uma ditadura do bem?
52 – Eu não defendo o governo de Cuba, nem da Venezuela.
Quais suas críticas aos dois governos?
53 – Eu apoio a Rússia, o Irã e a Palestina apenas por eles fazerem frente ao imperialismo norte-americano.
Então você, que defende a causa dos gays, dos negros e das mulheres apoia governos oficialmente homofóbicos, racistas e machistas apenas por eles fazerem frente aos Estados Unidos, aquele país construído por imigrantes, cuja presidente de sua maior empresa privada é uma transexual?
54 – É hipocrisia crucificar o PT. Não foi ele quem inventou a corrupção.
Devemos, então, deixar solto um estuprador, já que não foi ele quem inventou o estupro?
55– O PT reduziu drasticamente a pobreza no Brasil.
Considerando que o governo do PT estabeleceu que uma pessoa só deve ser qualificada como pobre se tiver renda abaixo de R$ 291, em qual classe social você enquadra o porteiro do prédio onde você mora?
56 – O PT é vítima de uma conspiração das elites capitalistas.
O PT é inocente de quais acusações?
57 – Não há base legal para um processo de Impeachment contra Dilma.
Você pensaria da mesma maneira se as mesmas acusações pesassem sobre um presidente da república de um partido não alinhado à suas convicções ideológicas?
58 – O governo FHC quebrou o Brasil.
Devo concluir que você reconhece os governos Sarney e Collor-Itamar como ótimas administrações?
59 – As classe mais baixas reconhecem que foi graças ao PT que elas melhoraram de vida.
Você conhece a pesquisa realizada pelo Instituto DataFavela em 63 favelas brasileiras, na qual comprova-se que apenas 4% de seus moradores afirmam ter melhorado de vida por causa de programas do governo?
60 – Não sou petista.
De quais acusações o PT é culpado?
by institutoliberal

Detectando um mentiroso

Dr. Cristiano Nabuco

andrys lukowski - fotolia
andrys lukowski – fotolia
A mentira
Embora achemos não muito aceitável, a mentira está entre nós desde que somos muito pequenos. Nossos pais, por exemplo, amenizam nossa infância com histórias nem sempre muito verdadeiras (como fomos concebidos, que as pessoas não morrem, mas viajam para as estrelas, e por aí vai).
Pensamos, entretanto, que esse hábito ficaria restrito ao período mais primitivo de nossa existência e, à medida que crescemos, esse hábito naturalmente é deixado para trás.
Não é à toa então que nosso imaginário seja então frequentemente preenchido de histórias improváveis e duvidosas, ou seja, de inverdades presentes em todos os níveis.
Não sei se é de seu conhecimento, mas uma pesquisa recente procurou averiguar o quanto essa tendência se faz presente e descobriu-se o seguinte: as pessoas na vida adulta mentem uma a cada cinco interações diárias. (1)
Pamela Meyer, autora de um best-seller intitulado “Liespotting”, aferiu que mentimos tanto em nosso cotidiano, que os registros da pesquisadora chegaram a registrar 200 mentiras em um único dia. (2)
Assim, a “mentirinha” se tornou tão comum (e aceitável socialmente) que não ficou restrita aos nossos primeiros anos, mas é ela ainda usada (amplamente, diga-se de passagem) como um método para se evitar pequenas decepções em nosso círculo social da maturidade.
Eu explico.
Ao contar alguma coisa a alguém, é usual que as pessoas acabem, na grande parte das vezes, relatando apenas alguns “aspectos da verdade”. Assim sendo, sem que perceba, reconta-se tendenciosamente partes dos acontecimentos vividos que instintivamente possam ir ao encontro daquilo que as pessoas, de fato, desejariam ouvir.
Veja então que a realidade nua e crua – aquela discutida pelos filósofos durante séculos – dificilmente é repassada adiante em sua forma “bruta”, mas reconstruída, particularmente para que esteja em sintonia com os propósitos individuais de uma interação.
É dessa maneira que as histórias retalhadas dão um contorno mais grandioso a nossa pessoa ao nos fazer sentir mais aceitáveis aos olhos dos demais e, funcionando como uma verdadeira cola social, assegura maiores chances de aceitabilidade.
Mas, mentimos então o tempo todo?
Ao que tudo indica nas pesquisas, “sim”. E, embora não totalmente intencional, esse hábito atua como método altamente adaptativo.
Portanto, não seria de todo incorreto dizer que, a rigor, falamos muito pouco a respeito do que verdadeiramente se passou conosco ao usarmos distintos níveis de mentira (ou, da verdade, se você preferir).
© Brian Jackson - fotolia
© Brian Jackson – fotolia
Essas graduações podem partir daquelas popularmente denominadas de “mentira branca” (ou seja, sem maiores consequências) e podem chegar aos níveis que constituem um quadro de mentira patológica, isto é, de quando se mente de uma maneira contínua e compulsiva, sem controle.
As mentiras “leves” podem incluir: o atraso a um compromisso importante porque  “pegamos muito trânsito” (quando na verdade não saímos no horário correto), o “esquecimento” de uma tarefa de trabalho (quando na verdade não sabíamos fazê-la), a data de aniversário de um amigo importante (quando na verdade, estávamos sem vontade de cumprimentá-lo) etc.
Dessa maneira, temos sempre prontas em nossa cabeça inverdades pouco comprometedoras,  prontas para serem usadas. E, no outro extremo, temos o quadro psicopatológico denominado de “mitomania”.
Quando a mentira se tornou doença
Nesses casos, o indivíduo vive em um ciclo de fabulações, ao criar situações falsas e, o pior, ao fazer de tudo para que se possa acreditar nelas. Assim, na mitomania, a pessoa se sente confortável com invencionice, ao preencher com mais e mais detalhes o enredo da fábula recém-criada.
Algumas vezes podem ser as pequenas mentiras, entretanto, outras vezes são histórias mais elaboradas, de maneira mais detalhada e sofisticada. Dessa forma, na mitomania, o paciente usa da invenção deliberada para enganar pessoas e tirar vantagens, e nunca as admite, muito embora tenha plena consciência de que são fictícias, bem como ainda não se constrange quando é colocado a prova e eventualmente descoberto.
Vale lembrar que os casos de mentira desonesta e criminosa, usualmente oriunda dos psicopatas ou estelionatários, não se aplicaria a esses casos, já que são considerados como desvios de caráter.
Vamos fazer um experimento?
5 maneiras de detectar um mentiroso
a) Comece fazendo perguntas neutras.
Comece observando como uma pessoa responde questões neutras. Pergunte, por exemplo, a respeito do tempo, planos para o final de semana, ou qualquer coisa que possa provocar uma resposta normal e confortável. Quando a pessoa responder, observe a linguagem corporal e o movimento dos olhos (assim se estabelece um padrão de como a pessoa age ao falar a verdade). Certifique-se de fazer perguntas suficientes para detectar esse padrão.
b) Comece a pesquisar um tema mais “delicado”.
Uma vez que saímos do um território mais neutro em direção à “zona de mentira'', fique atento às mudanças observadas na linguagem corporal, nas expressões faciais, no movimento dos olhos ou ainda na estrutura das frases. É inevitável que padrões distintos aparecerão ao se contar uma situação que, na verdade, não ocorreu. Por isso então que se torna importante observar uma linha de base de comportamento normal antes de entrar nessa fase.
c) Fique ligado nas linguagens corporais.
O comportamento mentiroso, muitas vezes, pode ser detectado através de sinais como olhares rápidos de um lado ou outro, enquanto se explica alguma coisa; toques rápidos no nariz com a ponta dos dedos; o mordiscar os lábios; dificuldade de se olhar diretamente a outra pessoa no ato da explanação ou ainda piscar excessivamente enquanto se descreve a situação (veja que todos são sinais típicos de desvio de direção ou de “efeito fumaça”).
d) Preste atenção ao tom, cadência e estrutura das sentenças.
Muitas vezes, quando uma pessoa está mentindo, ela irá mudar um pouco o tom e cadência de sua voz. O ponto central é atentar na velocidade. Muitas vezes, as sentenças mais elaboradas ou estruturadas é um sinal que a pessoa está ativamente tentando blindar a história mentirosa para que não seja descoberta e, por isso, sem que perceba, acaba se “alongando” nas justificativas e explicações. E, finalmente:
e) Preste atenção quando a pessoa muda repentinamente o “rumo da prosa”.
Como a mentira causa desconforto interno, “trocar” de foco no meio da conversa (mudar de um assunto para outro) pode ser uma pista importante.
Evidente que esses sinais precisam de treino para serem aferidos, mas vale a nota para ilustrar o quanto podemos, efetivamente, detectar tais comportamentos.
Passemos então ao mais importante.
O autoengano
Até aqui falamos das mentiras corriqueiras que possuem como objetivo enganar os outros ao cumprir as funções sociais que, conforme descrevemos, na grande maioria das vezes assumem funções inócuas e inexpressivas, entretanto, existem as outras mentiras, mais importantes, que têm como objetivo nos autoenganar.
Eu explico novamente.
As “mentirinhas” têm como objetivo manipular o exterior, mas o autoengano visa aquietar nosso interior.
Creio que essas últimas, definitivamente, podem ser as mais desastrosas, pois nos afastam da realidade interna e, de maneira efetiva, nos afastam daquilo que verdadeiramente precisaríamos ser.
Encontramos assim pessoas que se dizem “satisfeitas com o emprego”, “felizes com o relacionamento” ou ainda “realizadas com sua vida” – o que, nem de longe, muitas e muitas vezes, é verídico.
© Balazs Kovacs Images - fotolia
© Balazs Kovacs Images – fotolia
Essas mentiras têm a função então de não nos colocar no foco, pois ainda que insatisfeitos com nossa vida, permanecemos fora da zona de desafio, pois o desconhecido, muitas vezes, nos tira da condição do controle e do conhecimento das coisas. Portanto, muitas pessoas passam uma vida inteira infelizes, pelo simples receio de seguir em frente e enfrentar aquilo que ainda é inexplorado.
Sério isso, não acha? Saiba então que a maioria dos meus pacientes que buscam terapia, o fazem exatamente por conta das mentiras internas que precisam ser desconstruídas.
Pense nisso.
Conclusão
A primeira e mais óbvia dedução que podemos extrair deste texto é a de que tudo acima descrito pode também ser uma grande invencionice minha. Quem sabe…
A segunda, e claramente mais sensata, é a de que somos exímios criadores de realidades, ou seja, quase sempre estamos tentando dar sentidos às coisas e, assim, manipulando a existência a favor de nossa sobrevivência.
Portanto, seja dentro de uma pequena ou até de uma grande mentira (ou verdade, pois acho que, a rigor, no final das contas, tanto faz), apenas estamos procurando dar algum contorno àquilo que, efetivamente, nos sirva a algum propósito e que consiga, então, nos dar algum sentido de vida.
Talvez usemos desse recurso para poder sobreviver.
É uma pena, entretanto, que muitos descubram isso apenas no final da vida e então possam, finalmente, se aceitar.
                   "E se me achar esquisita, respeite também… até eu fui obrigada a me respeitar” – Clarice Lispector.

domingo, 26 de julho de 2015

Agora você vê. Agora, não | 30 Animais que são mestres na camuflagem

Viver não é e nunca foi algo fácil. Se você acha a sua vida civilizada complicada, acredite, ela seria muito pior se ainda vivessemos na selva, rodeados por todos os tipos de ameaça. Os animais lá fora sabem muito bem disso, e nesses longos milênios de vida selvagem, eles aprenderam alguns truques bem interessantes para se manterem vivos.
Uma dessas técnicas é a camuflagem, ou como eu gosto de definir, a arte de não estar lá, mesmo estando lá – entenderam? Saber se camuflar pode ser uma ótima forma de, literalmente, viver mais um dia, no caso dos animais pequenos ou desprovidos de armas de defesa e, até mesmo, ser o fator que determinará quem vai dormir de barriga cheia, no caso dos predadores que se utilizam do elemento surpresa para atacar suas presas.

Aves

1. Coruja

camuflagem_animal15

2. Lagópode-escocês

camuflagem_animal14

3. Coruja

camuflagem_animal11

4. Urutau-grande

camuflagem_animal10

5. Outra coruja

camuflagem_animal5

Insetos

6. Pulga da areia

camuflagem_animal28

7. Louva-a-deus

camuflagem_animal26

8. Bicho-pau

camuflagem_animal24

9. Bicho-pau

camuflagem_animal19

10. Tropidoderus Childrenii

camuflagem_animal18

12. Lagarta comum

camuflagem_animal17

13. Lagarta Adelpha Serpa Selerio

camuflagem_animal16

Animais marinhos

14. Dragão-marinho-folhado

camuflagem_animal30

15. Cavalo-marinho

camuflagem_animal29

16. Polvo

camuflagem_animal27

17. Solha

camuflagem_animal23

18. Caranguejo

camuflagem_animal22

19. Cavalo-marinho

camuflagem_animal6

20. Linguado

camuflagem_animal12

Outros

21. Lagartixas

camuflagem_animal1

camuflagem_animal7

22. Sapo

camuflagem_animal3

23. Tem outro sapo nessa imagem – incrivelmente!

camuflagem_animal4

24. Lagartixa rabo-de-folha

camuflagem_animal9

25. Girafa

camuflagem_animal13

26. Leão

camuflagem_animal25

27. Filhote de jacaré no meio do lodo

camuflagem_animal20

28. Guepardo (Chita)

camuflagem_animal21

29. Foca

camuflagem_animal31

30. Esquilo

camuflagem_animal32
by tudointeressante

Documentários inéditos revelam os podres de filmes de Hollywood

POR RODRIGO SALEM

Quem não gosta de uma boa história de fracasso, decisões erradas e egos destroçados? Em Hollywood, elas normalmente eram jogadas para baixo do tapete. Mas isso está mudando.
Dois longas hilariantes para quem curte histórias absurdas de Hollywood estrearam recentemente. O primeiro é "Lost Soul: The Doomed Journey of Richard Stanley's Island of Dr. Moreau", de David Gregory. O documentário acaba de sair em blu-ray nos EUA e explica as lendas em torno do filme "A Ilha do Dr. Moreau" (1996), sobre um cientista que cria uma sociedade de híbridos de animais e humanos.
Manuela Eichner
O longa começou a ser dirigido por Richard Stanley, um então jovem diretor sul-africano. O plano inicial era fazer um pequeno filme existencialista e bizarro a partir do romance de ficção científica de H.G. Wells, de 1896. Mas tudo mudou quando Marlon Brando se mostrou interessado no projeto.
O orçamento pulou para US$ 55 milhões, e o estúdio decidiu que Val Kilmer dividiria a tela com Brando. Os dois se odiaram. E Kilmer começou a aprontar no set, ameaçando outros atores e queimando com cigarro as costeletas de membros da equipe.

Veja o trailer de 'Lost Soul'


O diretor teve um ataque nervoso, subiu em um coqueiro e não quis mais sair. Dez dias depois de começar a rodar, foi demitido, e John Frankenheimer ("Ronin") assumiu. Mas Stanley não voltou para casa.
Foi para a selva ao redor do set, encontrou um monte de figurantes e voltou disfarçado entre eles como um dos monstros do filme. Em entrevista recente, disse que só queria ver o que estavam fazendo com o seu longa.
Já Brando não seguia roteiro, atuava com um balde na cabeça e exigia que o "menor homem do mundo", o ator dominicano Nelson de la Rosa, de 70 cm de altura, estivesse sempre ao seu lado —daí surgiu o personagem Mini-Me de "Austin Powers". Os extras passavam o tempo fumando maconha e fazendo sexo. Traumatizado, Stanley nunca mais dirigiu um longa de ficção.
Já "Superman Lives", polêmico projeto de Tim Burton com Nicolas Cage como o Homem de Aço, nunca saiu do papel, mas muita gente se pergunta no que teria dado. "The Death Of 'Superman Lives': What Happened?", de Jon Schnepp, lançado em julho em um site exclusivo do filme, tenta responder.
Jon teve acesso a imagens inéditas de Cage testando uniformes do Superman e a quase todos os envolvidos com o projeto, que existiu entre 1996 e 1999.

Assista ao trailer oficial de 'The Death of Superman Lives'



Entre as cenas, Nicolas Cage usa um terno azul frouxo para fazer um Clark Kent nada glamoroso. E Jon Peters, ex-cabeleireiro que virou produtor em Hollywood, fala coisas como: "Superman precisa enfrentar uma aranha gigante" e "acho a capa muito gay". Tudo é confrontado pelo documentarista em depoimentos recentes do roteirista Kevin Smith e do diretor Tim Burton.
A Warner, com medo de mais um fracasso no que vinha sendo um péssimo ano, cancelou "Superman Lives" a três semanas do início das filmagens —mesmo já tendo gastado US$ 15 milhões. A tal "aranha gigante" foi parar no filme "As Loucas Aventuras .

by .folha.uol

Trajetória de navio exemplifica impunidade reinante nos mares

IAN URBINA


A precária jangada feita de barris de óleo vazios e um tampo de mesa de madeira balançava com o movimento das ondas, amarrado ao lado do Dona Liberta, navio cargueiro de 112 metros ancorado no oceano Atlântico ao largo da África Ocidental, longe da terra.

"Desça!" gritou um tripulante, brandindo um facão, forçando dois passageiros clandestinos tanzanianos, que não sabiam nadar, a descer do navio para a jangada.



Apostando na chance de conseguir uma vida melhor, os viajantes clandestinos tinham dado azar. Eles haviam passado nove dias ao mar sem serem descobertos, a maior parte do tempo escondidos na sala de máquinas do Dona Liberta. David George Mndolwa, um deles, recorda-se de ter pensado enquanto o Dona Liberta desaparecia lentamente no horizonte: "É o fim".

Poucos lugares no mundo são tão anárquicos quanto o alto mar. Embora a economia global dependa da frota de mais de 4 milhões de pequenas embarcações pesqueiras e cargueiras e dos 100 mil navios mercantes de grande porte que transportam cerca de 90% das mercadorias do mundo, as leis marítimas de hoje são quase tão difíceis de aplicar quanto eram séculos atrás, quando os grandes impérios da história passaram a explorar os confins dos mares.

Segundo autoridades marítimas, milhares de marujos, pescadores ou migrantes morrem todos os anos no mar em circunstâncias suspeitas, mas os culpados raramente são levados à Justiça. Ninguém é obrigado a denunciar crimes violentos cometidos em águas internacionais.
Christophe Simon/AFP
Voluntário limpa praia da Espanha em novembro de 2002 após vazamento de petróleo de um navio
Voluntário limpa praia da Espanha em novembro de 2002 após vazamento de petróleo de um navio
Dezenas de milhares de trabalhadores, muitos deles menores de idade, são escravizados em embarcações, por endividamento ou coerção. Em média, um navio grande afunda a cada quatro dias, e entre 2.000 e 6.000 marinheiros morrem a cada ano.

Segundo pesquisadores, navios jogam intencionalmente mais óleo de motor e dejetos nos mares em três anos que o óleo dos acidentes da plataforma Deepwater Horizon e do Exxon Valdez somados, além de emitir volumes monumentais de alguns poluentes do ar, muito mais que todos os carros do mundo. A pesca comercial, boa parte dela ilegal, reduziu fortemente os estoques marinhos.
O Dona Liberta faz parte dos navios que mais infringem as leis, servindo como estudo de caso de prevaricação marinha.

O navio não apenas abandonou passageiros clandestinos no mar como foi acusado de várias outras infrações.
Sigit Pamungkas/Reuters
Marinha da Indonésia afunda navio que fazia pesca ilegal em sua costa: fotografia de novembro de 2003
Marinha da Indonésia afunda navio que fazia pesca ilegal em sua costa: fotografia de novembro de 2003
O decrépito navio frigorífico percorreu dois oceanos e cinco mares, aportando em 20 cidades, maltratando, abandonando e enganando seus tripulantes, e causou uma mancha de óleo de quase 150 quilômetros de comprimento. Credores perseguiram seu proprietário, tentando cobrar milhões de dólares em dívidas não saldadas, e grupos de fiscalização marinha incluíram a empresa proprietária do navio em uma lista de suspeitos de praticar pesca ilegal. Mesmo assim, o navio operou livremente e nunca lhe faltaram trabalho ou mão de obra.

"No mundo marítimo, é muito mais fácil para os países ignorar os navios que criam problemas, como o Dona Liberta, que tomar medidas para sanar a situação", explicou Mark Young, comandante aposentado da Guarda Costeira dos EUA e ex-chefe de implementação da lei no oceano Pacífico.

Uma investigação do jornal "The New York Times" constatou que embarcações que desaparecem no horizonte tendem a também escapar de qualquer fiscalização. Há dezenas de pactos marítimos assinados por muitos países, o setor de transporte marítimo já publicou calhamaços de diretrizes e a agência marítima das Nações Unidas redigiu centenas de regras. No entanto, as agências nacionais e internacionais geralmente não têm a inclinação ou os recursos para implementar essas normas.

O sistema moderno de embandeiramento, que permite que navios comprem o direito de hastear a bandeira de um país, desde que prometam cumprir as leis nacionais, garante boa cobertura para empresas inescrupulosas.
Tuwaedaniya Meringing/AFP
Navios pesqueiros em porto da província de Pattani, na Tailândia
Navios pesqueiros em porto da província de Pattani, na Tailândia
Geralmente um navio só pode ser interceptado em alto mar por uma embarcação militar ou policial com a mesma bandeira que a dele. Mas as Marinhas do mundo vêm sendo reduzidas há décadas. A maioria dos países, incluindo Bahamas, sob cuja bandeira o Dona Liberta circulava, não tem embarcações que fazem patrulhas regulares fora de suas próprias águas nacionais.

Quando crimes são cometidos, não existe uma agência única que tenha interesse suficiente no assunto para procurar, prender ou processar os culpados. Os passageiros clandestinos no Dona Liberta, por exemplo, eram imigrantes sem documentos originários da Tanzânia, que viviam na África do Sul e desembarcaram na Libéria. O navio pertencia a uma companhia grega com sede na Libéria. Seus tripulantes eram principalmente filipinos, o capitão era italiano. O navio operava sob a bandeira das Bahamas e navegava em águas internacionais.
"Quem pode conduzir uma investigação dessas?", indagou Mark Young.

Os trunfos em jogo são grandes: o derretimento do Ártico está ampliando as rotas comerciais. Avanços tecnológicos abrem o leito marinho profundo a novas perfurações e à extração mineral. Rivalidades marítimas e pirataria vêm gerando choques mais violentos. E, com a economia cada vez mais sem fronteiras, o comércio marítimo é vital. "Sem navios, metade do mundo congelaria e a outra metade morreria de fome", disse a escritora náutica britânica Rose George.
Young vê a necessidade de ações urgentes. Convidado a descrever os oceanos mundiais de hoje, ele respondeu: "São como o velho oeste. Leis fracas, poucos xerifes, muitos bandidos."
Associated Press
Marinha holandesa intercepta supostos piratas na costa da Somália; fotografia de abril de 2011
Marinha holandesa intercepta supostos piratas na costa da Somália; fotografia de abril de 2011
ARMADOR INVISÍVEL
A Grécia é um país pequeno, mas é uma superpotência no mundo marítimo, com muitas empresas de transporte marítimo e um número desproporcional dos armadores mais ricos do mundo. Quase metade das famílias mais conhecidas de armadores vem de Chios, ilha grega minúscula a oito quilômetros ao largo da Turquia.

É em Chios que vive George Kallimasias, cuja família trabalha com transportes marítimos há três gerações. Ao que consta, Kallimasias é dono da Commercial S.A., que operava o Dona Liberta e uma frota de cerca de duas dúzias de navios semelhantes.

As principais famílias de armadores gregos têm fama de possuir espírito de "noblesse oblige" -muitos campos de futebol, escolas e hospitais ostentam placas com seus nomes. Mas Kallimasias é decididamente invisível.

"Ele não é nem um pouco como os outros", comentou um estivador na marina de Chios. Ele apontou para o iate de 33 metros de Kallimasias, "Something Wild", que, segundo ele, raramente é usado e permanece sob guarda constante. A casa à beira-mar de Kallimasias em Chios se esconde atrás de um muro de cinco metros. Quando ele se desloca de carro, geralmente é acompanhado por guarda-costas.
"O cara é esquivo como fumaça", comentou Lefteris Kormalis, vendedor de peças para motores de navio. No ano passado, Kormalis ganhou uma causa na Justiça na qual cobrava US$ 30 mil que Kallimasias lhe devia. O armador é citado em pelo menos 15 processos legais semelhantes em tribunais da Grécia e dos EUA.
Construído no Japão em 1991, o Dona Liberta foi adquirido pela Commercial S.A. em 2004. Vagarosa e potente, a embarcação com quilha de aço tem mais de 560 metros cúbicos de espaço refrigerado, o suficiente para transportar o equivalente a mais de 25 milhões de latas de atum, sua carga principal.

Esse tipo de barco é uma espécie em extinção que vem sendo eliminada do setor de transporte de frutas e legumes por navios-contêineres que têm mais de três vezes seu tamanho e são dotados de tecnologia superior de controle da temperatura. De acordo com seguradoras marítimas, nos últimos anos, para sobreviver, muitas dessas embarcações passaram a transportar pescado, boa parte do qual ilegal, e outras mercadorias de contrabando, como cigarros falsificados e drogas.
Kallimasias não respondeu a pedidos de entrevista. Nos anos 1980, quando uma de suas empresas deixou de pagar um empréstimo de mais de US$ 11 milhões contraído com o Banco Nacional da Grécia, parlamentares gregos investigaram. Eles encontraram um navio de Kallimasias que valeria a pena ser apreendido, mas a embarcação pegou fogo no mar e afundou, em um ato visto como tentativa proposital de lucrar com o dinheiro do seguro.

MENDIGANDO COMIDA

Tripulantes do Dona Liberta frequentemente contatavam o sindicato internacional de marinheiros por meio de bilhetes escondidos ou telefonemas cochichados, implorando por ajuda. Documentos sindicais mostram que eles descreviam violações de segurança, condições de trabalho difíceis, roubo de salários e abandono.

Em 2012 as infrações levaram o sindicato a lançar um aviso a marinheiros, recomendando que não trabalhassem no Dona Liberta.

"Quando seu contrato termina, eles mandam você para casa, dizendo que transferiram o dinheiro", escreveu o ucraniano Yuriy Cheng em post sem data escrito em russo em um fórum on-line de marinheiros, aludindo à empresa proprietária do Dona Liberta. "Quando você chega em casa, descobre que não há dinheiro na conta."
Cheng descreveu um impasse no navio entre a direção e os tripulantes, em sua maioria filipinos, que pararam de trabalhar depois de passar um ano sem pagamento, apesar de serem ameaçados de prisão se não entregassem a carga. "Esses sujeitos tinham 40 ou 50 anos, mas estavam chorando de frustração, como bebês."

Em junho de 2011, o marinheiro veterano George Cristof percebeu que alguma coisa estava errada a partir do momento em que pisou no Dona Liberta no porto de Truro, na Inglaterra. Contratado por uma agência de emprego marítimo em Galati, Romênia, ele tinha sido instruído pela empresa de transporte marítimo de Kallimasias, em breve telefonema, a voar imediatamente à Inglaterra, onde uma tripulação completa estaria à sua espera, pronta para zarpar.

Ao chegar, porém, Cristof encontrou uma situação muito diferente. Os suprimentos tinham acabado, o porão de carga estava vazio e a tripulação tinha partido. O Dona Liberta mal tinha combustível suficiente para manter acesa a lâmpada da sala do leme, muito menos o motor do navio, de 5.600 cavalos-vapor.
Outro romeno, Florin Raducan, chegou pouco depois. Nos meses seguintes, os dois homens sobreviveram do que pescavam e dos alimentos enlatados e garrafas de água que mendigavam de embarcações que passavam por eles. Às vezes passavam dias sem comer. Eles não tinham o dinheiro e os documentos necessários para desembarcar e voltar para casa. Não havia aquecimento, água corrente, eletricidade ou banheiros que funcionassem. Eles colhiam água da chuva para se lavar.

Todos os dias, eles ficavam à espera de ordens que nunca chegavam. "A prisão com um salário", disse Cristof, repetindo uma expressão usada com frequência para caracterizar o trabalho no mar. "Só que o salário não é garantido."
Dados da ONU mostram que mais de 2.300 marinheiros foram abandonados em situação semelhante por seus empregadores nos últimos dez anos. Apenas recentemente é que o setor adotou normas, que entrarão em vigor em 2017, obrigando armadores a contratar seguros ou a apresentar outras provas de terem condições de cobrir os custos de marinheiros impedidos de sair de um porto, sem falar nos custos decorrentes de mortes de marinheiros e benefícios por invalidez de longo prazo.

No Reino Unido, uma organização humanitária resgatou os dois marinheiros romenos. "Eles não queriam ficar, mas se negavam a partir", explicou Ben Bailey, da organização em questão, Mission to Seafarers. Cristof e Raducan tinham pago mais de mil dólares cada um à agência de empregos para conseguir o trabalho no Dona Liberta. O abandono do navio implicava na perda do direito de recuperar esse dinheiro ou de receber os salários prometidos. Depois de cinco meses, entretanto, os dois desistiram e voltaram à Romênia.

DESPEJO DE ÓLEO

Numa manhã de abril de 2012, três funcionários do grupo de fiscalização ambiental SkyTruth, com sede na Virgínia Ocidental, debruçaram-se sobre imagens de satélite transmitidas pela Agência Espacial Europeia. Seis riscos negros chamaram sua atenção em águas ao largo costa africana. Pareciam ser consequência do despejo intencional de óleo e dejetos de navios.

O rastro mais longo no oceano se estendia por 150 quilômetros a partir de Cabinda, Angola. O Dona Liberta, na cabeça do rastro, avançava para o noroeste.
Não era um episódio isolado. Em fevereiro de 2012, autoridades ambientais britânicas tiveram que limpar uma mancha de óleo deixada pelo Dona Liberta no rio Fal. Oito meses antes, o navio foi citado por inspetores russos por ter fraudado livros de registro de óleo, num indício de despejo ilegal de óleo no mar. O Dona Liberta foi intimado pelo mesmo delito por inspetores espanhóis em julho de 2009, inspetores holandeses em 2005 e inspetores britânicos em 2004.

A maioria dessas intimações não resultou em multas. Tirando os EUA e o Reino Unido, são poucos os países que regularmente levam essas violações à Justiça.
Dessa vez, nem chegou a ser aberto um inquérito.

ABANDONADOS NO ATLÂNTICO

Em maio de 2011, Mndolwa e Jocktan Francis Kobelo acharam que teriam a chance de construir uma nova vida quando ouviram um tripulante em um porto mencionar que o navio de fundo vermelho que aguardava no cais, sem guarda noturno, ia zarpar para a Inglaterra em poucas horas.

Levando seus passaportes, um pão e um saquinho plástico com suco de laranja, os dois subiram pelo cordame do navio naquela noite, desceram escondidos até a sala de máquinas e ali ficaram nos cinco dias seguintes.

Em pouco tempo, o esconderijo tornou-se insuportável. As turbinas e os vapores os deixavam atordoados. "O calor roubava nossa respiração", contou Mndolwa. A comida deles acabou em dois dias.

Arrastando-se pelo labirinto dos níveis inferiores do navio até chegarem ao convés, eles encontraram bolachas e garrafas de água em um bote salva-vidas a bordo do navio. Foram encontrados ali quatro dias depois.

Os comandantes mais compassivos costumam obrigar passageiros clandestinos a trabalhar e então os fazem desembarcar no porto seguinte. Nos últimos anos, porém, as leis de imigração europeias foram endurecidas, o medo do terrorismo cresceu e autoridades portuárias em todo o mundo reagiram intensificando as penalidades para navios que chegam com passageiros ilegais.

No entanto, as regras em terra muitas vezes chocam-se com a realidade no mar. Os comandantes são proibidos de lançar clandestinos ao mar, mas são multados ou obstruídos se os levam até a terra.

Em 2014, dois passageiros clandestinos guineenses foram empurrados para fora ou saltaram de um navio ao largo da costa francesa, depois que vários países africanos se recusaram a permitir que desembarcassem. Um deles morreu afogado. Dois anos antes disso, uma tripulação lançou quatro clandestinos africanos no Mediterrâneo (todos sobreviveram), depois de o capitão ser informado do custo de sua repatriação. Esse custo pode chegar a US$ 50 mil por passageiro clandestino.

Na manhã seguinte após sua expulsão, Mndolwa e Kobelo tentaram se manter animados na jangada à deriva, falando de futebol e de suas famílias. Porém, a desnutrição, a desidratação e a espuma marinha gelada os tinham enfraquecido. Quando o Sol se pôs e a temperatura começou a cair, eles entraram em pânico. Kobelo começou a tossir e a vomitar sangue.

A esperança apareceu na forma de um pontinho no horizonte. Um barco de madeira de três metros com motor de popa se aproximou. "Por que vocês estão aqui?" perguntou um pescador, jogando uma corda para a jangada. "Não sei", respondeu Mndolwa.

Horas mais tarde, eles chegaram a um píer na cidade portuária de Buchanan, na Libéria, onde foram detidos por estarem sem documentos. Seis dias depois, Kobelo, cuja tosse tinha se agravado, morreu. Ele tinha 26 anos.

O Dona Liberta chegou ao porto de Truro, perto da extremidade sudoeste da Inglaterra, em junho de 2011, um mês depois de os passageiros clandestinos serem deixados à deriva. Aparentemente alertada pelas autoridades liberianas, a polícia britânica subiu no navio e interrogou o capitão. Mais tarde, arquivou a investigação por falta de provas.

Detido, Mndolwa passou cinco meses na prisão antes de ser enviado de avião para a Tanzânia e, mais tarde, retornar à Cidade do Cabo. Hoje ele tem 27 anos e vive perto da mesma ponte onde vivia antes de embarcar no Dona Liberta. Ele diz voltará a tentar entrar em um navio como clandestino. "Vou mudar minha vida."

DE VOLTA, COM NOVO NOME

O Dona Liberta desapareceu durante boa parte do ano passado, depois de desligar seu transponder localizador. Embora seja ilegal para grandes navios sob a maioria das condições, desligar o aparelho é fácil e é comum no caso de embarcações que transportam contrabando.

Em novembro, o navio reapareceu no golfo da Tailândia. Procurado por um repórter a 12 quilômetros da costa, o capitão chinês explicou que o navio tinha novo proprietário -uma companhia chinesa- e nova bandeira: a do Kiribati, arquipélago minúsculo no Pacífico central.

O novo nome do navio, Sea Pearl, estava pintado na quilha, ao lado da sombra do nome antigo. Desde então, o navio mudou sua bandeira mais uma vez e agora usa a de Vanuatu.

Indagado sobre as infrações passadas da embarcação, o capitão respondeu: "Empresa diferente, empresa diferente."

O INTERESSANTE ESTADO DE DIREITO

Fernando Gabeira Há coisas que não entendo no Brasil. Ou melhor, coisas que me esforço para entender. O STF, por exemplo, ne...